sexta-feira, 11 de agosto de 2017

O Paraíso É os Outros


Imagine-se em um jantar elegante. Se leitor, com uma linda morena elegantemente vestida. Se leitora, com um lindo moreno elegantemente vestido. O ambiente do restaurante é ricamente decorado, com candelabros de cristal e paredes pintadas à mão, mesa com louça inglesa, talheres de prata e lindas baixelas. O austero garçom reclina-se para mostrar o rótulo do champanhe e uma pequena orquestra toca ao vivo. A lagosta é servida dentre uma colorida guarnição e todos ao redor falam baixo com os guardanapos de alvo linho sobre os colos.
Agora, tire-se a morena ou o moreno que o acompanha o cliente. A cena é a mesma, tudo perfeito e elegante, mas talvez o triste e patético personagem desta ceia de abandono pense que seria melhor ter apanhado um lanche no drive thru mais próximo, já que solidão é o antônimo do glamour.
Pode-se acampar sozinho. Pode-se fazer um churrasco sozinho. Nada impede de se ter uma bela casa só para si. Nada impede de se passear no zoológico ou escorregar em uma cascata sozinho, mas onde está a graça disso tudo?
Temos aprendido, já há décadas, que as pessoas não importam, mas apenas as nossas experiências. Não importa com quem casamos, mas o número de com quantos nos deitamos. Não importam como estão os filhos, mas a liberdade que eles nos roubaram. Não importam os ambientes de convívio, a nossa casa ou o nosso país, já que todos ao pó iremos, logo: desfrutemos e não acumulemos. Não importa a alta cultura, já que não temos nada a preservar ao próximo. Não importa a lucidez, se a droga é minha e ninguém tem nada a ver com isso. Não importam os fetos dilacerados, mas o corpo da mulher...
O outro não é um inferno, mas justamente aquilo que nos dá identidade. As experiências existem, não para nos alegrarem, mas para compartilharmos a alegria.
Sozinhos, um deslumbrante pôr do sol é apenas mais um fenômeno natural e um belo rio, é apenas água correndo. Se estivéssemos sós no mundo, neste momento os matos estariam tomando conta das ruas por onde andaríamos. Se estivéssemos sós no mundo, os Rembrandts e Rodins estariam apodrecendo em algum canto. A grandiosidade que atribuímos à vida humana seria constituída apenas de trincas, acúmulo de pó, desabamentos e bolor.
A beleza existe porque existe o outro.
A ideia arrogante e egoísta de que nada importa foi-nos imposta por gente má e azeda, que quer que, como ela, nos afastemos da família, abandonemos nossos filhos, obras, prazeres e virtudes.
As experiências transcendentais que buscamos, simplesmente não existem, porque não existe o transcendente, mas apenas a realidade palpável da fusão dos olhares, do calor dos abraços, das carícias das palavras, dos toques suaves dos dedos e da comunhão das mentes.  
Não existem experiências que valham a pena por si só, o valor intrínseco das coisas está no compartilhamento do belo e do deslumbrante.  Sim, temos o poder de despejar sobre nós a graça do paraíso. E o paraíso é os outros. 
Ser humano significa estar com humanos. 

Luiz W. Bonow, agosto de 2017.

2 comentários:

Helio Farias disse...

Um belíssimo texto. E a verdadeira razão da existência humana. Doar-se para poder viver com intensidade! Numa só palavra, AMOR! Parabéns meu amigo. Um abraço HÉLIO.

Helio Farias disse...

Belíssimo texto! E retrata a mais pura verdade, nada teria graça na vida se não tivéssemos um motivador. Numa palavra meu amigo, chama-se AMOR! PARABÉNS E UM FORTE ABRAÇO. Hélio de Curitiba.